Os caminhos para o SDN e NFV

Publicado em Automação, Virtualização, por Juniper em 27/09/2015


Atualmente, os provedores de serviços que tem suas próprias redes sofrem pressões devido à urgência na entrega de serviços. À medida que a nuvem avança – paralelamente à evolução de um mundo orientado por informações e conectado – as expectativas dos clientes aumentam ainda mais. A relação valor x tempo é uma métrica decisiva. E, diante dessa equação, provedores de serviços experientes estão usando SDN (redes definidas por software) e a NFV (virtualização das funções de rede) para mudar as variáveis econômicas de seus negócios.

Provedores OTT – Over The Top – e os prestadores de serviços mais ágeis (nimble) saem à frente com tecnologias de nuvem e virtualização, que lhes permitem lançar rapidamente e quase instantaneamente novas soluções e recursos para antecipar as necessidades dos clientes. Se os novos produtos são um sucesso, é possível ampliá-los imediatamente e capturar o seu valor máximo. E, ao contrário, se as novas ofertas não deslancham, eles podem “recuar com agilidade”, reduzir rapidamente a escalabilidade e reinstalar os ativos sem perder um centavo.

Assim, o “valor” migra para inovações rápidas, enquanto a conectividade da rede convencional se torna cada vez mais uma commodity. A questão é que essas empresas precisam se adaptar a essa nova realidade.

Contudo, se o futuro é aproveitar rapidamente essas funções para capitalizar com ideias inovadoras, implementá-las com sucesso é outra história.

A principal infraestrutura das redes e dos serviços é projetada e implementada segundo um modelo rígido e manual e com mudanças lentas que podem levar de 12 a 18 meses para entrar em operação. Exige enormes investimentos e é difícil de modificar no meio do processo ou depois de sua implementação. Essas tendências criaram um gap de inovação entre as expectativas dos clientes e o que os provedores de rede poderiam entregar.

Empresas mais ágeis estão automatizando e virtualizando seus ambientes não só para reduzir despesas operacionais, mas para criar e testar novos serviços. Então, dependendo do sucesso do serviço, aqueles agentes decidem se devem elevar a escalabilidade ou desistir da iniciativa. O contraste é enorme. Enquanto provedores de serviços levam meses ou anos para identificar um novo serviço com respectiva tecnologia para implementá-lo, empresas que cresceram na web adotam ambientes DevOps (especialistas na automação do dia a dia da rede) com o objetivo de criar serviços com maior rapidez.

Para avançar com agilidade no mercado atual, os provedores de rede precisam adotar uma plataforma carrier class (padrão operadora) e aberta, que acelere os ciclos de entrega e reduza despesas iniciais e operacionais e, ao mesmo tempo, minimize riscos. Esta evolução é a “software-driven”, com automação tanto do fluxo de trabalho como dos sistemas orientados por software, que otimiza a entrega de serviços. A automação do fluxo de trabalho e de sistemas não só reduz despesas operacionais, como possibilita o funcionamento de serviços customizados.

Tal abordagem demanda um mix de infraestruturas física e virtual que otimiza os investimentos feitos, ao mesmo tempo em que transforma dinamicamente a rede. A virtualização permite modelos de negócios com custos variáveis, o que significa baixos custos iniciais e riscos.
Acabar com este gap de inovação é justamente o objetivo da Juniper Networks. Oferecemos uma série de soluções e equipamentos capazes de ajudar os provedores de serviços a percorrer a jornada em direção à SDN e à NFV, com agilidade e excelente relação custo-benefício.

Leia também
Por que o Contrail faz tanto sucesso para redes SDN/NFV?

 


 


Tags: Provedores de serviços, Nuvem, Automação, Virtualização, SDN, NFV, Inovação


Tags: provedores-de-servicos, nuvem, automacao, virtualizacao, sdn, nfv, inovacao


Posts Relacionados


Deixe seu comentário:

=